Exercício no calor: quais cuidados devemos ter?

Nem precisa ser “expert” em fisiologia para perceber que o exercício físico no calor provoca um estresse bem maior comparado ao ambiente termoneutro. Algumas recomendações devem ser consideradas quando o exercício é feito no calor que podem auxiliar nos mecanismos de termorregulação do nosso corpo.

Um recente posicionamento da “Sports Dietitians Australia (SDA)” foi publicado com acesso livre na Int J Sport Nutr Exerc Metab que aborda aspectos associados a:

  • se exercitar em ambientes quentes e / ou úmidos, ou
  • com roupas e / ou equipamentos que evitam a perda de calor corporal (ou seja, estresse por calor associado ao esforço),

Tais condições oferecem desafios muito significativos ao estado nutricional de um atleta, sua saúde e desempenho.

O estresse térmico causado pelo calor, especialmente quando prolongado, pode perturbar os sistemas termorregulatório, cardiovascular e gastrointestinal.

Além disso, a aclimatação ao calor pode fornecer adaptações benéficas e deve ser realizada sempre que possível.

A aclimatação ao calor pode ser obtida pela exposição ao calor associada ou não ao exercício físico.

Atletas devem iniciar os exercícios físicos sempre hidratados. E acreditem, a hiperidratação pré-exercício pode ser desejável em alguns cenários e pode ser alcançada por meio de protocolos de carregamento agudo de sódio ou glicerol segundo os autores.

A avaliação do equilíbrio hídrico durante o exercício, junto com a tolerância gastrointestinal à ingestão de líquidos e a adequação das respostas da sede fornecem informações extremamente valiosas para ajustar as estratégias de reposição de fluidos que devem ser integradas às necessidades de cada indivíduo. Essas estratégias também devem considerar a disponibilidade de líquidos e as oportunidades de beber, para evitar um consumo insuficiente ou excessivo durante o exercício.

As escolhas das bebidas após o exercício podem ser influenciadas pelo período de tempo necessário para o retorno à euidratação e co-ingestão de refeições e lanches.

Outro ponto interessante é de que a temperatura da bebida ingerida pode sim influenciar na temperatura central, com bebidas frias/geladas apresentando maior potencial antes e durante o estresse térmico associado ao esforço físico, enquanto o uso de mentol pode alterar a sensação térmica.

Concluindo, grupos específicos têm necessidades nutricionais únicas no contexto de estresse por calor por esforço (ou seja, jovens, atletas de resistência / ultra-resistência e atletas para-desportistas), e ajustes específicos para estratégias de nutrição devem ser feitos para esses grupos populacionais. Um bom acompanhamento nutricional é sempre bem-vindo!

McCubbin et al. Sports Dietitians Australia Position Statement: Nutrition for Exercise in Hot Environments. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2020 Dec 31:1-16. doi: 10.1123/ijsnem.2019-0300. Epub ahead of print. PMID: 31891914.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens recentes

Publicação popular

Ainda atual o esclarecimento da @SBEMSP sobre vitamina D e covid #naosejaenganado https://www.endocrino.org.br/nota-de-esclarecimento-vitamina-d-e-covid-19

Anormalidades cardíacas em atletas após a infecção por SARS-CoV-2: uma revisão sistemática https://bmjopensem.bmj.com/content/7/4/e001164

Load More...
MESSAGE

CONTACT US